terça-feira, 23 de maio de 2017

Só mesmo... Jorge Palma!




Só por existir
Só por duvidar
Tenho duas almas em guerra
E sei que nenhuma vai ganhar

Só por ter dois sois
Só por hesitar
Fiz a cama na encruzilhada
E chamei casa a esse lugar

E anda sempre alguém por lá
Junto à tempestade
Onde os pés não têm chão
E as mãos perdem a razão

Só por inventar
Só por destruir
Tenho as chaves do céu e do inferno
E deixo o tempo decidir

E anda sempre alguém por lá
Junto à tempestade
Onde os pés não têm chão
E as mãos perdem a razão

Só por existir
Só por duvidar
Tenho duas almas em guerra
E sei que nenhuma vai ganhar
Eu sei que nenhuma vai ganhar

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Tão genuína e em português!

O dia 13 de maio de 2017 ficará gravado na memória de todos nós devido à consagração de uma bela canção, totalmente cantada em língua portuguesa (com uns retoques de linguagem gestual espontânea na sua interpretação...) e de uma simplicidade desconcertante. Marcou por ser simples, emotiva e genuína! Tal como o é o português comum!




Se um dia alguém perguntar por mim
Diz que vivi para te amar
Antes de ti, só existi
Cansado e sem nada para dar

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei que não se ama sozinho
Talvez, devagarinho, possas voltar a aprender

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei que não se ama sozinho
Talvez, devagarinho, possas voltar a aprender

Se o teu coração não quiser ceder
Não sentir paixão, não quiser sofrer
Sem fazer planos do que virá depois
O meu coração pode amar pelos dois


sexta-feira, 5 de maio de 2017

Balada do desajeitado pela Quadrilha!


Sei de alguém
Por demais envergonhado
Que por ser tão desajeitado
Nunca foi capaz de falar

Só que hoje
Viu o tempo que perdeu
Sabes esse alguém sou eu
E agora eu vou-te contar

Sabes lá
O que é que eu tenho passado
Estou sempre a fazer-te sinais
E tu não me tens ligado

E aqui estou eu
A ver o tempo a passar
A ver se chega o tempo
De haver tempo para te falar

Eu não sei
O que é que te hei-de eu dar
Nem te sei
Inventar frases bonitas

Mas aprendi uma ontem
Só que já me esqueci
Então ora gosto muito de ti (bis)

Podes crer
Que à noite o sono é ligeiro
Fico à espera o dia inteiro
Para poder desabafar

Mas como sempre
Chega a hora da verdade
E falta-me o á vontade
Acabo por me calar

Falta-me o jeito
Ponho-me a escrever e rasgo
Cada vez a tremer mais
E às vezes até me engasgo

Nada a fazer
É por isso que eu te conto
É tarde para não dizer
Digo como sei e pronto

Eu não sei
O que é que te hei-de eu dar
Nem te sei
Inventar frases bonitas

Mas aprendi uma ontem
Só que já me esqueci
Então ora gosto muito de ti (bis)

segunda-feira, 13 de março de 2017

Janita Salomé canta Luís Andrade

Não é fácil o amor!!



Não é fácil o amor melhor seria
Arrancar um braço fazê-lo voar
Dar a volta ao mundo abraçar
Todo o mundo fazer da alegria

O pão nosso de cada dia não copiar
Os males do amor matar a melancolia
Que há no amor querer a vontade fria
Ser cego surdo mudo não sujeitar

O amor ao destino de cada um não ter
Destino nenhum ser a própria imagem
Do amor pôr o coração ao largo não sofrer

Os males do amor não vacilar ter a coragem
De enfrentar a razão de ser da própria dor
Porque o amor é triste não é fácil o amor


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Um dia...




Um dia, quando a ternura for a única regra da manhã,
acordarei entre os teus braços. a tua pele será talvez demasiado bela.
e a luz compreenderá a impossível compreensão do amor.
Um dia, quando a chuva secar na memória, quando o inverno for
tão distante, quando o frio responder devagar com a voz arrastada
de um velho, estarei contigo e cantarão pássaros no parapeito da
nossa janela.
Sim, cantarão pássaros, haverá flores, mas nada disso
será culpa minha, porque eu acordarei nos teus braços e não direi
nem uma palavra, nem o princípio de uma palavra, para não estragar
a perfeição da felicidade.


José Luís Peixoto, in 'A Criança em Ruínas'


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Se me deixasses ser ... Tiago Bettencourt

Faz-me lembrar alguém... de quem muito gosto!!



Se me deixasses ser
O sítio onde podes voltar
Depois do dia entardecer
Ou quando a noite te agarrar
O corpo forte de ficar
A casa de permanecer
A casa para regressar
Se me deixasses ser...
Seja onde for
Se o filme fosse meu
Na luta contra o mal
Tudo o que te faz doer
Morria no final
E quando o escuro não passar
E te cega como uma prisão
Vou-te resgatar
Lavar o coração
Se me deixasses ser
Se fosse eu a mandar
Fazia-te ver...

Frente ao precipício
Juntos pela mão
Se hoje queres saltar
Eu quero ser razão (bis)

Se me fizesses crer
no sítio onde posso voltar
para um dia entardecer
ou quando a noite descansar
Na casa de permanecer
Na pedra que fazemos chão
para me rever
lavar o coração
se me fizesses crer
se fosse eu a mandar
fazia-te ver

Frente ao precipício
Juntos pela mão
Se hoje queres saltar
Eu quero ser razão (bis 3x)